domingo, 23 de abril de 2017

Uma aventura inesquecível!!!!

Perú me surpreendeu! Todos os lugares que conheci foram além da expectativa. A viagem aconteceu entre os dias 13 e 21/10/16. Cheguei em Lima na quinta-feira e fui para o hotel de táxi, espantada com o grande movimento das ruas à meia-noite. Na capital, fiquei hospedada no bairro Miraflores. Com as dicas do aplicativo Google Trips organizei meus passeios para que pudesse conhecer a maior parte das atrações turísticas, se possível a  pé. Achei a cidade limpa, segura e o povo muito educado. Adorei a orla, o Parque Del Amor, o Larcomar e a parte histórica da cidade. O artesanato merece uma atenção especial, muito rico!




No domingo, parti cedo para Cusco, chegando lá antes do meio-dia. Fui para o hotel e, após fazer o check-in e deixar a bagagem, fui dar uma volta no mercado vizinho e tirar algumas fotos. No início da tarde fiz um city tour que havia contratado. Visitamos as principais atrações da cidade e ruínas nos arredores.



 A segunda-feira foi muito especial. Muito cedo, por volta de 3:45 da madrugada, foram me buscar no hotel para irmos fazer uma trilha no Cerro Colorado. Fiquei muito apreensiva, pois sabia que era uma longa caminhada, com o agravante da altitude que eu não estava acostumada (sou cardíaca). Porém, a vontade de ir era muito grande e encarei. O ponto de partida era em um local distante quase três horas de van. Fomos a um barracão onde recebemos as instruções e nos serviram um café reforçado. Com pouco tempo de caminhada percebi que não aguentaria fazer todo o percurso de aproximadamente 10 km a pé e aluguei um cavalo com guia. Foram mais ou menos três horas de ida, até a altura de 5.200 metros, e três horas de volta com paisagens lindíssimas!!!! Nos últimos trechos chegou a nevar. Chegamos de volta a Cusco debaixo de chuva, à noite.


O dia seguinte foi reservado para ir à Machu Picchu. A van me pegou às 4:00 e seguimos para Ollantaytambo, onde pegamos o trem para Águas Calientes. De lá fomos de ônibus para M.P. Fizemos um tour guiado e depois fiquei explorando o lugar. Perto de 3:00 da tarde peguei o ônibus de volta. Fez um sol lindo e deu pra tirar ótimas fotos. Adorei o lugar!



Os últimos dois dias foram em Arequipa, conhecida como “a cidade branca”, em razão das construções com o sillar. Amei a cidade. Fiquei em um hotel boutique na Plaza de Armas e pude conhecer quase tudo a pé. Recomendo!


Um novo destino (decidindo num impulso!)

Apesar de que conhecer o Perú, especialmente Machu Picchu, era uma vontade antiga, essa viagem foi decidida num impulso. Minhas férias já estavam marcadas para outubro/2016 e eu pensava em adiar por causa do trabalho, por isso não tinha feito planos para viajar. Mas aí as coisas mudaram... Eu estava no trabalho (em setembro), quando num momento de raiva e decepção, decidi que precisava daquelas férias e, principalmente, tinha que viajar. Corri pro computador e fui procurar passagens baratas para os destinos que tinha interesse no momento: Montevidéu e Perú. Encontrei um bom preço de passagem para Lima e, após me certificar que aquela era uma época boa para ir, não pensei duas vezes. Comprei uma passagem Fortaleza-Lima para o mês seguinte. Na hora não sabia ainda qual a distância pra Machu Picchu e como chegar lá.  Entrei em alguns blogs e no dia seguinte resolví comprar outra passagem Lima-Cusco. Nos dias seguintes procurei me informar tudo o que precisava, o clima, as atrações turísticas, hotéis, etc. Ví algumas matérias sobre Arequipa que me despertaram a vontade de conhecê-la. Na semana seguinte comprei o trecho Cusco-Arequipa. Foi muito interessante como tudo (as datas e horários dos vôos) se encaixou perfeitamente, sem que houvesse um plano. A dúvida que ficou era se eu iria a Machu Picchu sozinha ou com um grupo, através de uma agência de turismo. Novamente os blogs de viagem me ajudaram. Eu já tinha pago a taxa de visita (obrigatória) e já tinha visto os horários e preços dos trens, mas estava insegura para decidir. Pensei até na possibilidade de fazer uma trilha na subida para a cidadela...rsrsrsrsrs. No final, decidi pela prudência e resolvi contratar uma empresa local. Por uma indicação de um blog, entrei em contato através do Whats App com um responsável por uma empresa em Cusco. Isto após ver várias referências e acessar o site da agência. Informei-me sobre os passeios, comparei os preços e decidí! Paguei a metade antecipada e o restante pagaria quando chegasse lá. Pronto! Tudo resolvido, os dias voaram até a minha partida.

sábado, 5 de novembro de 2016

As duas viagens que fiz, combinando estudo e turismo, me proporcionaram um grande aprendizado e me mostrou que não é tão difícil fazer planos de médio prazo. Digo isso porque sempre fui muito impetuosa e imediatista. Costumava dizer que jamais conseguiria fazer planos para realizar algo num tempo superior a seis meses...
O planejamento destas viagens durou em média 3 anos, contando com o aprendizado da língua. Os preparativos da viagem em sí, uns 6 meses, talvez menos. O fato de começar a aprender a língua antes de ir, faz toda a diferença, porque aí já existe uma realização imediata. A partir desse momento, começo a aprender a língua, a cultura, conhecer o país. Geralmente compro um guia turístico do país, com a descrição das regiões, principais centros turísticos, etc, que vão me ajudar a fazer o roteiro. Assim esses preparativos começam a preencher a minha vida. Já começo a me sentir no local. Junto com o país de destino, nessas duas experiências já tinha certo qual o curso iria frequentar, só faltando escolher a cidade e a hospedagem.  Mantenho contato com a coordenação do curso e todas as tratativas são feitas por email. Tudo muito fácil e tranquilo.



Depois dessas viagens à Itália e à Alemanha, verifiquei que se quisermos realmente nos dedicar ao aprendizado do idioma, não devemos ficar em cidades muito turísticas, como foi meu caso em Florença. Em primeiro lugar em razão de ficarmos tentados pelas atrações turísticas e nos dedicarmos mais ao turismo. Em Florença, nunca perdi uma aula, nem sequer cheguei atrasada, mas em compensação, fora do horário de aula, me dedicava apenas a conhecer novos lugares. O problema é que, como a cidade recebe turistas do mundo todo, você acaba tendo muito contato com o inglês. Quando os moradores locais percebem que você é turista, já começam a falar inglês. Já em Mannheim, uma cidade predominantemente de estudantes, foi um pouco diferente. O instituto também tinha uma ótima mediateca, um espaço ótimo para estudar. Assim, consegui focar meu tempo um pouco mais nos estudos. Nos fins de semanas, aí eu viajava pra conhecer as cidades vizinhas.



terça-feira, 13 de outubro de 2015

Viajar é preciso...

"Os vinte motivos pelos quais viajar é preciso" (http://nomadesdigitais.com/20-motivos-pelos-quais-viajar-e-preciso/#) é a tradução perfeita do que penso sobre viagens! Viajar me faz sentir mais viva e embora viajando só, me sinto menos sozinha do  que na minha propria cidade. Minha experiência na Itália foi tão gratificante que resolvi repetir e ousar. Desta vez o destino foi a Alemanha. A ousadia fica por conta do idioma, é lógico, e por isso criei o blog "www.sozinhanaalemanha.blogspot.com".  Depois de três anos de tentativas de aprender a língua, resolvi ir com o pouco que tinha aprendido, com o propósito de melhorar o idioma e conhecer o que eu pudesse do país no período de pouco mais de quarenta dias. Desta vez, ao contrário de Florença que é uma cidade muito turística, escolhi Mannheim, uma cidade tranquila, conhecida como centro da lingua alemã.


sábado, 23 de outubro de 2010

De Florença à Veneza

Em Florença fiquei em um apartamento indicado pelo Instituto Italiano, situado na Via San Gallo, no centro histórico da cidade, dividindo-o com outras duas alunas. Excelente localização e tudo o que podiamos precisar: cozinha completa, maquina de lavar roupa, etc. O horário do curso era de 9:00 às 13:00 e à tarde, geralmente às 17:00, alguma atividade opcional como: filme, palestras, passeios à lugares históricos...os alunos eram separados em salas de acordo com o nível alcançado no teste, aplicado no primeiro dia. Tinha gente de todo o mundo! Nos horários livres geralmente eu saia para conhecer o máximo possível da cidade e ir à Internet matar a saudade de todos aqui de Fortaleza, sempre reservando algum tempo para os estudos em casa. No primeiro fim de semana fui às cidades de Siena e San Giminiano em uma excursão oferecida pelo curso, mas depois percebí que seria mais barato e mais proveitoso viajar por conta propria e aí escolhi algumas cidades para conhecer: Veneza, Assis, Lucca. Através de uma agência de viagem fui à 5 Terre em uma excursão de um dia. Este é um passeio imperdível!!! De Florença partem trens para toda a Itália e é só você chegar na estação e escolher seu destino. Lógico que é bem melhor escolher e estudar antecipadamente seu destino. Ver horário dos trens, distancia e os principais atrativos. Escolhi Assis, Fiesole e Lucca por serem cidades próximas, pequenas e com muito para se ver. Veneza não preciso justificar!!!!! (veja cada cidade nas páginas ao lado)

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Conhecendo Roma a pé


Após uma boa noite de sono, acordei pronta para conhecer Roma. Mapa da cidade, máquina fotográfica, máquina de filmar, Guia da Itália e um pequeno dicionário... a bolsa estava pesada mas a disposição era enorme. Vantagem de viajar sozinha: você faz seu roteiro e segue seu ritmo! Conhecer o idioma do país, pelo menos o básico, é indispensável! Graças a uma excelente localização do hotel - Via Emanuele Filiberto - pude fazer vários roteiros para conhecer o máximo de lugares em 5 dias, de terça a sábado. Talvez se tivesse optado por me deslocar de metrô ou ônibus teria conhecido mais lugares e teria sido menos cansativo, mas nada se compara a andar por Roma, podendo escolher qualquer caminho para seguir. Você tem a liberdade de parar quando algo chama sua atenção, conhecer as pequenas ruas, praças, sentar para admirar algo, ver vitrines, tirar muitas fotos, enfim, vivenciar tudo de uma maneira intensa.

Preparativos e chegada




Viajei para Itália com o propósito de aprender italiano e conhecer o país. A idéia surgiu quando meu filho Pedro adquiriu a cidadania italiana. Comecei a estudar italiano no ICIF (Instituto de Cultura Italiana de Fortaleza) e comecei a juntar informações sobre cursos na Itália e a ler sobre o país. Resolvi que iria após o término do curso de italiano (3 anos) e escolhi o mês de agosto por ser verão no hemisfério norte (sem o incômodo de chuvas, frio e roupas pesadas!). Escolhi fazer um curso classico de um mês no Instituto Italiano de Florença. Òtima escolha! Comprei uma passagem Fortaleza-Milão (TAM), de Milão à Roma (Easyjet) e um bilhete de trem Roma-Florença. Reservei um Hotel em Roma para uma semana e um quarto em um apartamento dividido com outras alunas, em Florença, durante um mês. Esta certamente seria a viagem de meus sonhos! Cheguei em Roma no dia 26/07/2010, às 22:50h, cansada e na maior expectativa.